quinta-feira, 1 de março de 2012

Therasuit traz esperança

 O Método TheraSuit foi criado em Michigan/USA, 
com base em uma veste criada por pesquisadores 
Russos com intuito de contrapor os efeitos 
negativos vividos pelos astronautas
 (atrofia muscular, osteoporose) devidos à falta de 
ação da gravidade em suas longas viagens 
pelo espaço. Izabela e Richard, um casal de 
fisioterapeutas e pais de uma criança com paralisia 
cerebral, estudaram e desenvolveram este novo
 método de tratamento visando a reabilitação de sua filha.
 É constatado que pessoas com desordem
 neuro-muscular precisam de 
repetições intensas de exercícios para aprender e 
adquirir uma nova habilidade motora.
 O progresso das evidências científicas associado à 
melhora significativa dos pacientes com 
distúrbios neurológicos que optaram por este tratamento faz 
desta técnica a primeira escolha entre os 
pacientes norte-americanos.
O método se diferencia da terapia tradicional 
em vários aspectos. O primeiro passo,
 essencial para um bom tratamento, é a avaliação específica
 e minuciosa para a identificação dos reais déficits
 do paciente. Em seguida, com base nos
 resultados da avaliação, é elaborado um programa intensivo, 
individual e específico, com duração 
de 3 ou 4 semanas, com seções diárias de 3 horas.
O treinamento do paciente é sempre individual e 
visa o ganho de força, funcionalidade,
 endurance, coordenação e equilíbrio.
 Os recursos utilizados são: TheraSuit (veste), 
Universal Exercise Unit (gaiola) e Spider.




 O Therasuit é um método que consiste em um programa 
intensivo e individualizado visando o ganho de força,
 o aumento da resistência, do controle e da coordenação 
muscular e que ajuda a melhorar as atividades funcionais
 como engatinhar, sentar e andar.
O Therasuit é feito em quatro etapas que envolvem
 desde exercícios intensivos até o relaxamento. 
"Na primeira etapa, são realizados exercícios onde o paciente
 é colocado em uma espécie de ‘gaiola’ para fazer movimentos 
enquanto seu corpo é segurado por um 
sistema de cordas e roldanas."
Na segunda etapa, o paciente passa para o módulo 
de exercícios, onde seu corpo fica suspenso por 
elásticos dentro da mesma ‘gaiola’. Na terceira,
 o paciente coloca a roupa que é uma órtese 
composta por uma touca, um colete, um short, 
uma joelheira e um tênis, todos esses componentes 
estão ligados por um sistema de cordas elásticas.
E por último o paciente realiza hidroterapia para 
relaxamento muscular, explica a fisioterapeuta Juliana Barbosa,
 responsável pela aplicação do método na Clínica de Fisioterapia
 do Centro Universitário de Maringá (Cesumar), 
pioneira nesse tipo de tratamento no Paraná.
Ledyanne Casitas de Matos descobriu o Therasuit durante uma pesquisa online e foi buscar referências com profissionais de Curitiba, que indicaram uma clínica paulista que já trabalhava com o método. Então, ela levou sua filha de quatro anos, que desde pequena apresenta um atraso motor, para fazer o tratamento, e durante sua realização ficou sabendo que o tratamento é disponibilizado na Clínica de Fisioterapia do Cesumar.
"Apesar de termos acesso a esse tratamento em São Paulo, é muito mais confortável não termos que sair de casa para proporcionar o melhor a ela". 

No começo apenas crianças tinham acesso ao tratamento,
 hoje a clínica já disponibiliza três tamanhos de roupas
 (para  crianças, adolescentes e adultos). O tratamento
 é gratuito. A fisioterapeuta diz o que acontece 
quando o Therasuit é aplicado.
"Com a colocação dos elásticos o corpo inteiro tem 
seu peso distribuído e isso faz com que o centro 
gravitacional seja alterado, readequando o tônus 
muscular e, como consequência, adquirindo uma 
postura mais relaxada e perpendicular, com
 alinhamento correto das extremidades superior e inferior, 
o que é notado de imediato".
Divulgação
A ‘gaiola’ e as cordas elásticas ajudam a alongar a musculatura







De acordo com Juliana, o tratamento dura de três a quatro 
semanas, é feito todos os dias com descanso nos finais 
de semana, e no Cesumar é repetido a cada quatro meses.







0 comentários:

Postar um comentário